Sempre VARMENGO!

É verdade que o Colorado de Abel Braga ser campeão com Praxedes, Peglow, Tiagalhardo, o Josiel-2020, Yuri Ney, Lucas não sei das quantas, Moledo e Dourado, seria demais. Um exagero de ruindade sendo premiada, mas, os resultados do time encarnado foram conquistados dentro de campo, com a bola rolando.

Também convém dizer que o Mengão não pode ser culpado por um lunático endinheirado enviar R$ 1 milhão para o Inter para que este pudesse escalar Rodinei contra a agremiação que detém o seu passe. Faltou aí um Colorado mais fanático que subisse a aposta e fizesse o que Abelão deveria fazer: nunca escalar o ex-camisa 2 da Gávea.

Dito isso, Raphael Claus, pinta de empreendedor e frequentador de BALADA TOP, conduzia bem o jogo até que, rasgando seus próprios critérios de outrora, tenha cedido as pressões da FLAPRESS, encabeçada por Mauro Cezar Pereira, e sua verve de Zacarias, e expulsado Rodinei em um lance onde a força foi exagerada, mas que se as camisas fossem trocadas sequer teria intervenção do VAR.

A Bola de Ouro do campeonato pode ser entregue inclusive aos operadores do VAR. Fizeram toda a sorte de trapalhadas, prejudicaram o andamento dos jogos e não trouxeram justiça ao espetáculo, condição sine qua non para o seu uso. Esqueçam esse lance de craque do campeonato, jogador da galera, pedir música gospel no Fantástico. O único ente que fez a diferença e desequilibrou jogos na vigência da COVID foi o árbitro de vídeo.

Com a vitória de 2-1, o Fla de Rogério Ceni pode ser campeão no Morumbi, lugar onde o ex-goleiro forjou a sua fama e glória. Se existe mesmo Deus, isso não pode acontecer. Não tanto pelo Mengo, que chatice dos seus torcedores a parte tem um esquadrão de respeito e uma direção que concentra todos os seus esforços na obtenção de vantagem esportiva para o clube, negligenciando até o pagamento de indenizações para famílias dos Meninos do Ninho, mas imaginam que mundo insuportável aquele onde o treinador Ceni, aquele que queima jogadores, é campeão do Brasil. Eu prefiro pensar que o Inter vence e o time de Gabigol perde.

O RESTO

Bem, contrariando a previsão dessa nobre seção, o Santos não se classificou para a Copa Sul-Americana e sim para a Libertadores. Calou todos os críticos e deu alegria a sua imensa torcida, que já prevê novo papelão nesse ano de 2021. Na baixada, a surpresa fica por conta da chegada de Ariel Holan para o cargo de treinador. Vindo da Universidad Católica, campeã no Chile, e com passagem pelo Independiente (campeão da Sula em 2017 em cima do Flamengo), o estratega não costuma ser muito amigo dos jogadores. É de se preocupar, e muito, sobre que tipo de relação o argentino terá com Marinho Memes e o personagem de quadrinhos Soteldo. Veremos.

Palmeiras e São Paulo fizeram um jogo horrendo no Morumbi. O empate em 1-1 não fez justiça ao que foi o jogo, que deveria ser um 0-0 com duração de 20 minutos. O grande momento do clássico foi o febril e cerebral Rony Rústico provocando Tchê Tchê, o perninha, dizendo: “Jogou onde?”, após fazer o gol de empate no Choque-Rei. É verdade que poucos se lembram do camisa 8 tricolor no Verdão, mas não precisava exagerar, né?

Por fim, dois times do Rio disputarão a Série B em 2021, Vasco e Botafogo. A Guanabara terá menos representantes na divisão máxima do futebol do que o Rio Grande do Sul, por exemplo. O Fogão, ex-Glorioso, terá muitas dificuldades em se manter na Série B. Para isso já se reforçou com o craque Pedro Castro, um especialista na matéria nos seus anos de Avaí.

Para o Almirante, as previsões devem ser mais amistosas. Um décimo lugar garantido e vaga na Sulamericana. Ah, a vaga é só para a Série A. Pena, mas quem tem Carlinhos, Yuri Catatau, Leo Gil, Léo Matos e Falhando Miguel não deve desistir nunca. De chorar. A melhor chance que os alvinegros do Rio tem para voltar a elite do futebol brasileiro é uma virada de mesa, algo que o co-irmão Fluminense e até o próprio Botafogo, em 1999, já ensinou como se faz. Que o torcedor acredite!